Câncer Infantojuvenil atinge mais de 12 mil crianças e adolescentes anualmente

10/10/2019

 

Diagnóstico precoce é fundamental para o aumento das chances de cura.

 




Neste sábado, 12 de outubro, é comemorado o Dia das Crianças, e a Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (SOBOPE) dá um destaque aos pequenos que estão em tratamento do câncer.

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), são cerca de 12.500 pessoas, entre 1 e 19 anos, acometidos por tumores como linfoma, leucemia e neuroblastoma, anualmente.

De acordo com o presidente da SOBOPE, Dr. Claudio Galvão, “o tratamento do câncer infantil requer uma estrutura física, com Unidade de Terapia Intensiva (UTI), pronto-socorro, laboratórios, radiologia, e equipe multidisciplinar treinada, bem como apoio de outras especialidades médicas”, e ressalta que o essencial é realizar o diagnóstico o mais rápido possível. 

Isso porque, apesar da taxa de cura do câncer infantojuvenil ser alta, o diagnóstico ainda é feito de forma tardia, o que dificulta o tratamento.

Se tratando de crianças,é preciso reconhecer a doença e fazer o diagnóstico precocemente, para que o tratamento se inicie o mais rápido possível.

 

Receba nossas notícias diretamente em seu WhatsApp. Clique aqui e se cadastre!

 

Mas o que é o câncer infantojuvenil? 

Segundo Inca, o câncer infantojuvenil corresponde a um grupo de doenças que tem em comum a proliferação descontrolada de células anormais. 

Nas crianças, o câncer geralmente afeta as células sanguíneas e os tecidos de sustentação. Por isso, o Inca aponta que os tipos mais comuns de câncer em crianças e adolescentes são: leucemias, os que atingem o sistema nervoso central e os linfomas.

A instituição aponta que, no Brasil, o câncer infantojuvenil é a primeira causa de morte por doenças em pessoas de um a 19 anos. Entretanto, há uma boa notícia: o Inca aponta que tumores em crianças e adolescentes são, predominantemente, de origem embrionária e, por isso, respondem melhor aos tratamentos, o que gera grandes chances de cura.

Atualmente, cerca de 80% das crianças e dos adolescentes com câncer podem ser curadas da doença. No entanto, o sucesso do tratamento depende do diagnóstico precoce e da qualidade dos serviços prestados, já que o atendimento deve ser especializado.

Para que o diagnóstico seja realizado de forma precoce, os pais ou responsáveis devem ficar atentos a possíveis sintomas nas crianças e nos adolescentes, tais como:

• Em casos de leucemia, a criança se torna mais sujeita a infecções, além de ficar pálida, sentir dores nos ósseos e ter hemorragias;

• Em casos de retinoblastoma, os pais devem ficar atentos ao chamado “reflexo do olho do gato”, que consiste no embranquecimento da pupila quando exposta à luz. Além disso, a doença pode gerar estrabismo (olhar vesgo) e fotofobia (sensibilidade à luz). Geralmente, esse tipo de câncer afeta crianças com menos de três anos e a pesquisa do reflexo deve ser feita desde o nascimento;

• Tumores do sistema nervoso central podem ter como sintomas dores de cabeça, alterações motoras e vômitos.

 
 
Conteúdo: EBC

 

Fique sempre por dentro das  Notícias em Santa Cruz atualizadas diariamente através do aplicativo ACHEI SANTA CRUZ , basta clicar na imagem abaixo que você será redirecionado a loja de aplicativos de seu smartphone!

 

 

Notícias Relacionadas